Maria Ignez Barbosa
 
           
Tamanho do texto: A A A
Textos e Entrevistas - Casa Vogue
 
13 de março de 2013
           « anterior | próximo »


LUXO CONFIDENCIAL



As duas casas geminadas já abrigaram um convento de freiras da Opus Dei. Hoje, com minuciosa reforma idealizada pela arquiteta Lili Barboza, paisagismo assinado por André Paoliello, tijolinho pintado de branco e paredão de vidro na fachada para revelar o interior detalhado e ambientado por
Christian Liaigre e sua mulher Deborah, o endereço é, sem dúvida, um dos points mais chiques da cidade. Mais do que uma nova flagship store na alameda Gabriel Monteiro da Silva, a maison Liaigre paulistana é uma casa de 400 m2 decorada de alto a baixo. Tem o chão forrado por tábuas corridas de imbuia sassafrada vindas de uma antiga fazenda e, ainda, a surpresa de possuir, em seu topo, um pequeno flat para convidados especiais – o qual Marcio Barboza, responsável por trazer a marca ao Brasil e instalá-la no showroom de sua Atrium, batizou, com humor, de “Hôtel Particulier”.

Em conversa com Casa Vogue, Deborah conta que cada novo projeto é um motor que faz com que ela e Christian se reinventem constantemente. “Com base na cultura e na arquitetura do local, uma nova história é sempre imaginada – não importa se o imóvel é de época ou moderno”, diz ela. É com essa atitude, inspirando-se no colorido e na luz do Brasil, que a marca Christian Liaigre abre suas portas em São Paulo, sua segunda maior maison internacional, numa construção dos anos 1930, quase um
ano depois de inaugurar uma unidade em Nova York. Foi justamente com a proposta do local e suas possibilidades que Marcio Barboza, depois de dez anos de namoro com a marca francesa e vários argumentos para trazê-la ao Brasil, conseguiu convencer o exigente casal. Deborah se diz encantada com essa aterrissagem em solo brasileiro: “Um país fascinante sobre o qual tenho me documentado e que sempre me fez sonhar”. E faz questão de frisar que a grande novidade da loja paulistana “será a presença nos móveis e objetos de materiais e acabamentos ainda incomuns no Brasil”, como a laca artesanal, o bronze e certas espécies raras de madeira. “Fazemos questão de ter um posicionamento original. Apesar de adorar o estilo tropical e o design brasileiro, estamos trazendo um pouco do chic parisiense e da sofisticação à la française, sempre focados num luxo extremo e original. Cuidamos da ambientação de um showroom da mesma maneira como tratamos um projeto privado. O que não muda é o rigor com que Christian Liaigre escolhe os mais diversos objetos.”

Assim, esse aguardado templo contemporâneo do luxo francês acaba de abrir suas portas no Brasil, prometendo ser a personificação do lifestyle Liaigre. Traz móveis com nomes charmosos, como Pimenta, Um Copo Para Dois, Preguiça e Ilha do Vento, idealizados pelo designer e produzidos, em alto
patamar de qualidade, pelos melhores artesãos franceses dentro de uma ideia de “luxo confidencial”.
Na maison brasileira, particulares ou profissionais poderão encomendar a ambientação de uma sala, uma casa inteira, um escritório ou um espaço comercial. Sempre no estilo Liaigre, que, para Deborah, pode ser sintetizado como “uma mistura sutil de elegância, simplicidade e sobriedade, mas sempre em sintonia com os moradores”. E arremata: “Christian Liaigre segue seu gosto e seus desejos, sem marketing nem premeditação. Seu trabalho é espontâneo e evolui ao longo do tempo e dos projetos. É inspirado principalmente no estilo modernista, que teve início nos anos 1920: usual, prático, depurado, elegante e influenciado por artistas como, por exemplo, Brancusi e Giacometti”.